SE É A MERA CURIOSIDADE QUE AQUI TE CONDUZ, DESISTE E VOLTA; SE PERSISTIRES EM CONHECER O MISTÉRIO DA EXISTÊNCIA, FAZ O TEU TESTAMENTO E DESPEDE-TE DO MUNDO DOS VIVOS.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Dia de Rigor



“Lembrai, lembrai do cinco de novembro
A pólvora, a traição, o ardil
Por isso não vejo como esquecer
Uma traição de pólvora tão vil”

De acordo com o dicionário online da Wikipédia:

“Vingança consiste na retaliação contra uma pessoa ou grupo em resposta a algo que foi percebido ou sentido como prejudicial. Embora muitos aspectos da vingança possam lembrar o conceito de igualar as coisas, na verdade a vingança em geral tem um objetivo mais destrutivo do que construtivo. Quem busca vingança deseja forçar o outro lado a passar pelo que passou e/ou garantir que não seja capaz de repetir a ação nunca mais.”


“Voilà! À vista, um humilde veterano vaudevilliano, apresentado vicariamente como ambos vítima e vilão pelas vicissitudes do Destino. Esta visagem, não mero verniz da vaidade, é ela vestígio da vox populi, agora vacante, vanescida, enquanto a voz vital da verossimilhança agora venera aquilo que uma vez vilificaram. Entretanto, esta valorosa visitação de uma antiga vexação, permanece vivificada, e há votado por vaporizar estes venais e virulentos verminados vanguardeiros vícios e favorecer a violentamente viciosa e voraciosa violação da volição. O único veredito é a vingança, uma vendeta, mantida votiva,não em vão, pelo valor e veracidade dos quais um dia deverão vindicar os vigilantes e os virtuosos. Verdadeiramente, esta vichyssoise de verbosidade vira mais verbose vis-a-vis uma introdução, então é minha boa honra conhecê-la e você pode me chamar de V.”
“V”, em algarismos romanos, como bons observadores que sei que vocês são, significa em algarismos arábicos o número 5. Que é a numeração de nossa tão bem conhecida e pouco compreendida Sephira de Guevurah. Também leva a crer que está muito bem relacionada com o Pentagrama, nosso velho amigo microcósmico. Podemos pegar uma interpretação legal daí tirando que a energia do Ani (Eu) e do Ain (Nada) se encontrem em Tipheret e o aconteça o primeiro dos momentos majestosos do iniciado ocidental, deve-se primeiro saber compreender a energia da Justiça severa desta Sephira e não cair nas “graças” de Asmodeu na Qliphoth de Golachab.

“Asmodeus: Energia Sagrada e Significado. Quando o Significado nas coisas segue adiante, essas coisas viram Cascas. Beleza sem Significado vira Orgulho vazio, Um Julgamento Duro sem Julgamento honesto se torna Raiva. Se torna uma Casca, uma Concha, se torna um Qlipphoth. Se torna EU.”

“Eis que me fiz de santo, quando na verdade era o demônio.” V
Quando a vingança é maior que a justiça, corre-se o risco de cair em desgraça. Acredito eu que as rosas vermelhas deixadas durante os assassinatos dos antigos agressores do V são uma representação alegórica da destruição dos impulsos destrutivos e das paixões inferiores durante a jornada dele. Todas elas representadas pelas suas vítimas. Depois de mortas, recebiam uma rosa. Uma Rosa-do-Espírito se abria. Rosas estas, que no filme, se diziam extintas.  Poderia ser retratado de modo que o Fohat (Caminho da Espada Flamejante ou Relâmpago) seja encabeçado pelo próprio V. “O que fizeram comigo me criou, é um principio básico do universo, que toda ação cria uma reação igual e oposta!”.
V não pode agir através do pilar da Misericórdia. Para se derrubar o poder totalitário da Teocracia imposta na Inglaterra fictícia, ele precisa agir mais próximo da população e dentro do pilar da Severidade. Ele precisa reunir, aglutinar. E esta é a energia deste pilar. “Se não pode com eles, junte-se a eles”. O governo totalitário pode ser claramente associado com Binah, afinal fecha as portas da liberdade para as mentes condicionadas à sua verdade. Isso pode ficar muito claro com o símbolo deste governo (uma cruz de dois braços, ou seja, oito ângulos). Na Kabbalah do Sepher ha Bahir, as energias empregadas na destruição do poder totálitário deste governo podem ser interpretadas como o Arcano VIII (A Justiça), já que liga Gevurah à Binah (caminho de Heth). E da ligação que V trará ao povo com a oportunidade de se encontrarem (SAG) é equivalente ao Arcano XII (O Enforcado), que neste caso é equivalente ao caminho de Lamed. Na Kabbalah aqui apresentada, estudada pelos cabalistas da Golden Dawn, as respectivas energias apresentadas anteriormente são: o Arcano VII (O Carro) e o Arcano VIII (A Justiça). Como acredito que ao invés de antagônicas, estas duas formas de apresentar a Kabbalah são complementares, peço que vocês mesmo que combinem estes dois modos de interpretar a energia empregada e compartilhem suas interpretações. Deixo esta parte com vocês.


Quando ele encontra Tipheret, ou seja, liberta seu anjo da prisão onde estava, vendo experiências anteriores, ele se sente pronto. Teve seu necessário Batismo de Fogo. Enquanto Evey é a representação do próprio povo que precisa encontrar sua liberdade. Ela é a representação de Netzach que precisa entender que Amor é se render. E precisa se sacrificar pelos outros e deixar seus medos para trás. “Deus está na chuva”.
A morte de V e sua batalha final com Creedy, o guardião de Binah, começa com a morte de Adam Sutler, o Demiurgo. Se V precisa voltar ao seu posto original em Hochmah e deixar o próprio povo como dirigentes do novo governo (Poimandres) que ele mesmo tenta ajudar a criar oferecendo sua própria vida em troca, era preciso que se derrotasse o Guardião do Abismo. V dá o seu primeiro e último beijo (Osculum Santum) em Evey e parte para seu Sacro Ofício. Notem que nenhuma bala faz efeito nele, mesmo que a proteção de ferro (Gevurah) que carregava sobre seu peito tenha sido totalmente crivada de balas. Ele já não era deste mundo. Creedy não podia entender o motivo dele não morrer pois só tinha conhecimento de coisas passíveis de morte. V atingira Hochmah.
“Por baixo dessa carne existe um ideal. e as idéias nunca morrem…”
Com a revolta popular no dia 5 de Novembro, passado um ano desde a proposta, o povo em sua insurreição foi à caráter, vestidos todos como V, como um só, encarar a morte na mão armada do Governo. Eles não temiam a morte. Eles não temiam o Diabo. Eles não temiam mais nada porque eram um só. eles finalmente haviam alcançado Tipheret. Isso pode ser notado quando depois da destruição do Parlamento, ou seja, depois de destruir aquilo que era símbolo máximo do governo de Adam Sutler, todos tiraram suas máscaras e eram cada um um indivíduo. Mas não o mesmo indivíduo. Não o indivíduo apático e egoísta de antes. Eles eram a Fraternidade Universal
Resumindo, isso tudo se torna de um V um VI.
Que as vossas Rosas floresçam na Tua Cruz.
Imagens:
-Promethea edição Nº 18 “Vermelho Intenso”, J.H. Williams III.
Sérvio Túlio é estudante de Letras, membro do Projeto Mayhem e autor do blog Jedi Teraphim.
>>Veja também os meus outros textos no TdC.
>>Curta a págia do Jedi Teraphim no Facebook.
Que a Força esteja com vocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...