SE É A MERA CURIOSIDADE QUE AQUI TE CONDUZ, DESISTE E VOLTA; SE PERSISTIRES EM CONHECER O MISTÉRIO DA EXISTÊNCIA, FAZ O TEU TESTAMENTO E DESPEDE-TE DO MUNDO DOS VIVOS.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

O Incenso de Ketoret


Traduzido por Gabriela Ayres
Em março de 1988 foi encontrado em uma caverna de Qumran, uma pequena jarra que continha um oléo avermelhado. Acredita-se que é a única amostra sobrevivente de um óleo balsâmico, descrito na Toráh para ungir o Mishkan (Tabernáculo) e seus vasos, assim como os kohanim, sacerdotes e reis de Israel. O óleo – quando foi encontrado – tinha uma consistência como o mel. A jarra em que o encontraram, estava embrulhada em folhas de palmeiras, cuidadosamente dobradas e preservadas em um poço com profundidade suficiente para evitar que se desperdiçasse devido às intempéries do tempo externo da zona.






Quatro anos depois, descobriram 600 quilos de uma substância orgânica avermelhada dentro de um silo, construído com rochas, em outra parte do complexo de Qumran. Uma série de análises determinaram que a dita sustância avermelhada continha pelo menos oito das onze espécies que eram utilizadas em Pitum haQetoret (mistura de incenso) e oferecidas no Templo.

Alguns anos mais tarde, foi apresentado uma amostra perante dois rabinos que a deram à seus próprios profissionais químicos para analisar a qualidade orgânica, e sugeriram que se queimasse uma porção dessa mistura com propósitos científicos (para tal, utilizaram ácido cloridrico e fogo). Também foi sugerido que a queimasse junto com outras duas espécies que se escontraram no outro lado da caverna.
Os resultados foram assombrosos. Se por um lado, as espécies haviam perdido algum traço da sua potência ao longo dos milênios desde seu enterro, por outro ainda eram poderosas. O resíduo da fragrância permaneceu nos arredores por inúmeros dias depois da experiência. Muitas pessoas informaram que seus cabelos e roupas consevaram o mesmo perfume. Ainda mais assombroso, a área onde foram queimadas as espécies, mudou radicalmente já que estava infestada durante meses, com formigas, mosquitos e outros insetos, que logo depois da experiência do incenso, desapareceram magicamente.
Depois de Ketoret, nenhum inseto foi visto por um bom tempo. Isto traz lembrança da Mishná em Avot 5:5 (Talmude) que diz que não havia moscas na área do Templo.
O poder e efeito prolongado do Ketoret estão também escritos no Talmude Yoma 39b, que as cabras em Jericó (ao norte de Qumrán) espirravam ao sentir o cheiro do Ketoret, e as mulheres não precisavam se perfumar. Em Jerusalém as noivas não precisavam usar seu perfumeiro (um pingente com misturas de ervas) em virtude do dulcíssimo e onipresente cheiro do Ketoret.
O Ketoret e a Bíblia
No Talmude (Arajin 16ª) está escrito que em Beit haMikdash (Templo), o Mishkán (Tabernáculo) assim como os vasos sagrados, o Aron Hakodesh (Arca sagrada), a Menoráh (o candelabro), o Mizbeaj haKetoret (Altar do Incenso), as roupas do Cohen Hagadol (Sumo Sacerdote), as cinzas dos sacríficios, etc., não eram só arterfatos físicos, mas sim, representavam níveis espirituais para estar mais perto de Deus. O mesmo acontece com o Óleo (Shemen) e o Ketoret.
Da leitura de Exôdo 30, podemos destacar que o óleo da unção e o Ketoret estão muito ligados um ao outro, já que contêm várias especiarias iguais.
Outra coisa que podemos destacar é que ambos são muito sagrados. Sagrado em Hebreu se diz Kodesh, quando algo é Kodesh se deve afastar-se e ser mantido separado, adquirindo por tanto o poder de santificar e elevar tudo ao redor (Shabat Hakodesh, Torat Hakodesh, lashon Hakodesh, Ierushalaim Ir Hakodesh, etc.).
Da Kabalah, podemos dizer que o incenso consistía em dez perfumes ou especiarias com uma agradável fragância, e uma especiaria a mais, jelbená (gálbano), com un cheiro horrível. Essas espécies eram misturadas para serem usadas no Templo. Como as onze especiarias representavam as dez, mais uma sefirot (ou originária) da Árvore da Vida do Universo de Tohu (caos), se diz entre tanto que representam a completa retificação do mal. Isto é indicado pela junção da 11ª especiaria, gálbano, que faz menção a elevação do mal retornando ao reino sagrado.
O Talmude (Shabat 89ª) ensina que Moisés foi instruído sobre o mistério do incenso pelo Anjo da Morte (o Anjo da Morte revelou a Moisés que o Ketoret tem poder de anular um decreto maligno, ainda que fosse o da morte).
Por que o Ketoret supera a maldade da morte? De onde sai o seu poder? Obtêm-se do fato da pulverização das especiarias se assemelharem ao rompimento da morte das sefirot originais. As sefirot originais dão luz com uma pequena porção de escuridão. A escuridão não poderia se manifestar como “mal” integro até que a luz fosse “pulverizada”. O rompimento da luz se demomina morte e escuridão. Mas o Ketoret, na precisa forma que está, e especialmente pelo número e natureza dos seus ingredientes tem o poder de sobrepôr-se a morte e a escuridão, e tranformar completamente o mal, tanto em nós e no mundo, no bem.
O Jelbená
O incenso consistia em dez especiarias, ou perfumes, com boas fragrâncias e uma 11ª, gálbano, com um cheiro horrível que se refere a elevação do mal no reino sagrado.
É interesante observar que o jelbená, uma das quatro especiarias mais importantes do Ketoret, descrita no Toráh, corresponde a nada mais nada menos que o carbono, ao carbono animal, um dos quatro elementos primários encontrados no Universo, que junto com o oxigênio eram essenciais para manter a vida!
Continuando com a idéia das dez fragrancias especiais e uma desagradável, o Talmude diz: (Keritot 6b): Todo jejum coletivo que não inclua os pecadores de Israel, não é jejum”.
Isto tem a ver com o fato de que o incenso tinha jelbená. Assim como o jelbená, era preciso que o incenso adquirisse esse aroma, uma congregação não está completa sem alguém que tenha errado e queira redimir-se através do arrependimento. Em particular quando um castigo era decretado contra Israel devido a alguma má ação, este mesmo mal deve ser elevado. Entre tanto, a idéia de trasformar o mal, o elevando novamente a sua fonte no sagrado está incorporanda no incenso. É por essa razão, que todo jejum coletivo deve incluir os pecadores de Israel.
A Toráh menciona quatro especiarias fundamentais para o Ketoret: Bálsamo, estacte, gálbano e frankincenso puro. É somente através da trasmissão oral que conhecemos as outras sete, somando um total de onze. Os sábios, tentam nos explicar, de que maneira se menciona na Toráh, repetindo duas vezes, a palavra “samim”, ou especiarias. A Toráh não especifica quais eram.
O Talmude mais uma vez explica as propriedades do Keroret:
Keritot 6ª: “De que era composto o Ketoret? Continha 368 maneh (medidas). 365 correspondiam ao número de dias do ano solar, uma medida por dia: meia pela manhã e meia a noite. As outras três são aquelas que o Cohen Hagadol (Sumo Sacerdote) traria (ao Sancta Sanctorum) como dobro da porção no “Iom Kipur”
Existe uma súplica, dizendo que nossa oferta seja agradável e aceitável a Deus. O Ketoret tem o poder de anular os efeitos do Lashon Hará (palavras torpes, fofocas, insultos, ofensas verbais, literalmente, a “lingua afiada”). Aqui devemos frisar que a Toráh e a súplica são a forma mais poderosa de utilização da linguagem para o bem. Às vezes, é muito fácil dizer palavras, aquelas que não são nossas e acostumamos repeti-las a ponto de perderem a profundidade e o significado. Mas o segredo da verdadeira súplica é nos colocarmos atrás das palavras, de convertê-las em ações, especialmente aquelas que foram pronunciadas para purificar durante milênios
...
Essa parte de texto foi traduzida ao pé da letra, então algumas palavras estão faltando seu significado traduzido. Mas boa parte tem como compreender.

Ketoret é a transliteração da palavra hebraica קטרת, que é traduzido em Inglês, como o incenso. O ketoret palavra significa união. Esta ligação, como veremos, é necessário construir a unidade do corpo de Mashiach. Ketoret é uma substância que está associada à alegria, oração e protecção. Claramente, ketoret é uma substância mais inusitadas!
Neste estudo, gostaria de dar uma olhada em profundidade, uma substância que é tão poderoso que pode pôr fim a uma praga. Porque ele pode pôr fim a uma praga, quem composto incorretamente incorrerá a pena de morte. Vamos começar esse estudo examinando aquilo que a Torá nos ensina sobre ketoret, por examing a primeira utilização de ketoret:
Shemot (Êxodo) 25:1 E falou o SENHOR a Moisés, dizendo: 2 Fala aos filhos de Israel, que me traga uma oferenda de todo homem que lhe dá de bom grado com o seu coração vos a minha oferta. 3 E esta é a oferta que haveis de ter deles: ouro, prata e bronze, 4 E azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pêlos de cabras, 5 E peles de carneiros tintas de vermelho, e os texugos "peles, madeira de acácia, 6 azeite para a luz, especiarias para o óleo da unção, e para incenso aromático, 7 pedras de ônix e pedras para ser colocado na éfode, e no peitoral. 8 E me farão um santuário, para que eu possa habitar neles.
A partir deste primeiro verso, vemos que o incenso é uma oferenda que é associado com HaShem morada em nós.
O Ketoret, oferecido duas vezes ao dia, Israel simbolizava o desejo de servir HaShem de uma maneira agradável. Esta oferta foi levado duas vezes ao dia, uma vez que, como parte do Shacharit (manhã) de serviço e uma vez como parte da Mincha / Musaf (tarde) de serviço. Isso aconteceu sete dias por semana, todos os dias do ano, incluindo o Shabat e Yom HaKippurim.Cinco quilos de ketoret foi queimada por dia, metade pela manhã ea outra metade à tarde.
Shemot (Êxodo) 30:7 E Arão queimará incenso aromático a cada manhã, quando preparar as lâmpadas, o queimará incenso sobre ele. 8 E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde, ele deve queimar incenso sobre ele, um incenso contínuo perante o SENHOR pelas vossas gerações.
Em nossas orações da manhã, lemos sobre as especificidades do ketoret:
É Você, Senhor, nosso Deus, diante do qual nossos antepassados queimou a ketoret (especiarias, incenso) no momento em que o Templo Sagrado estava, como você mandou Moshe através de Seu profeta, como está escrito na Torá:
Êxodo 30:34-36, 7-8 Senhor disse a Moisés: Toma especiarias yourself - bálsamo, ônica, e gálbano - especiarias e incenso puro, pois eles são tudo para ser de igual peso. Está a fazê-lo em Ketoret (incenso), um tempero composto, o trabalho de um perito compounder especiarias, misturadas, puro e santo. Está para moer alguns deles finamente e coloque um pouco dele diante do Testemunho na tenda de Compromisso, onde eu designará um tempo para conhecê-lo, ele deve ser um santo dos santos para você.
Também está escrito: Arão queimará sobre ele o incenso de especiarias, todas as manhãs, quando ele limpa as luzes que ele é queimá-lo. E quando Aaron acende as luzes na parte da tarde, ele está a queimar, como o incenso contínuo perante o SENHOR pelas vossas gerações.O Hakhamim ensinou: Como é a mistura de incenso formulada? Trezentos e sessenta e oito maneh estavam nela: Trezentas e sessenta-five correspondentes aos dias do ano solar - um maneh para cada meio dia, pela manhã e metade no período da tarde, e três maneh extra, a partir do qual o Kohen Gadol traria seus dois punhados [no Santo dos Santos] no dia do Yom HaKippurim. Ele iria devolvê-los à argamassa, na véspera do Yom HaKippurim e grind-los muito cuidadosamente, de modo que seria excepcionalmente bem. Onze tipos de especiarias estavam nela, como se segue:(1), bálsamo, (2) ônica, (3) gálbano [] chelbena, (4), incenso - cada um pesando setenta maneh [1]; (5) mirra, (6), cássia, (7) nardo, (8) de açafrão - cada maneh dezesseis pesagem; (9) costo - doze maneh; (10) aromáticas casca - três, e (11) de canela - nove.
[Além disso] lixívia Carshina, nove kav [2]; vinho de Chipre, três se'ah [3] e três kav, se ele não tem vinho de Chipre, que traz o vinho branco de idade; Sodoma sal, a] trimestre kav [e uma pequena quantidade de uma erva de fumo-raising. Rabino Nassan babilônico diz: Também uma pequena quantidade de âmbar Jordão. Se ele colocou mel de frutas para ele, ele é invalidado.Mas se ele deixou de fora qualquer de suas especiarias, ele é passível de pena de morte.






Raban Shimon ben Gamliel diz: O bálsamo é simplesmente a seiva que escorre das árvores de bálsamo. Porque é que Carshina cáustica usada? Para branquear os ônica, para torná-lo agradável. Porque é que o vinho de Chipre usado? Assim que o ônica poderia ser embebido em que, para torná-lo pungente. Mesmo que a urina é mais adequada para que, no entanto, não trazem urina para fora do Templo de respeito.É ensinado, o rabino Nassan diz: Como seria de moagem [o incenso] outro diria:

 
"Grind completamente, completamente grind '
  
porque o som é benéfico para as especiarias. Se alguém misturado ao meio-quantidades, ele estava apto para uso, mas a um terço ou um quarto - não ouvimos a lei. O rabino Yehuda disse: Esta é a regra geral - Na sua proporção adequada, é apto para uso em metade da quantidade total, mas se ele deixou de fora qualquer uma de suas especiarias, ele é passível de pena de morte.
  
É ensinado, Bar Kappara diz: Uma vez que todos os anos sessenta ou setenta, as sobras acumulada atingiu a metade da quantidade anual. Bar Kappara ensinou ainda: Se alguém colocasse um kortov de mel de frutas para ele, ninguém poderia ter resistido seu perfume. Por que não misturar frutas-de-mel para ele? - Porque a Torá diz: "Para qualquer fermento ou qualquer fruta-de-mel, você não está a queimar-lhes a partir de uma oferta queimada ao SENHOR." (Fim das orações da manhã que falar ketoret).
  
A Torá não dá a receita exata para o ketoret que foi queimado diariamente no Templo. Somente na Lei Oral que vamos encontrar uma lista de todos os ingredientes onze. Nosso Hakhamim ensinou:
  
O ketoret contidas especiarias onze. Havia setenta maneh cada um dos (1), bálsamo, (2) ônica, (3), gálbano e (4) incenso.
  
Havia maneh dezesseis cada um dos (5) mirra, (6), cássia, (7) nardo puro, e (8) açafrão.
  
Havia doze maneh de (9), de costo, três medidas de (10) de casca aromática, e nove medidas de (11) de canela.
  
Cada maneh pesava cinco quilos. O peso total foi de 368 maneh - uma medida para cada dia, mais 3 extra para Yom Kippur, ou £ 1.840 (836,36 kg).
  
O Midrash agora mostra-nos como podemos deduzir que há onze especiarias apenas as informações na Torá (Shemot 30:34 ss):
  
Midrash Rabbah - The Song of Songs I: 62. R. Johanan aplicado no verso com o incenso da Câmara dos Abtinus. O saco de mirra: esta é uma das especiarias onze que compunham. R. Huna explicou [por que havia] onze. Diz o Senhor disse a Moisés: Pegue a ti especiarias doces (Ex.XXX, 34), isto é dois: bálsamo, e ônica e galbanam - isto faz cinco, especiarias doces - se você disser isso significa apenas mais dois , já tivemos esta, [portanto, levá-la em conjunto com as palavras] seguinte, de cada um haverá um peso como, adicionar cinco para as cinco anteriores, fazendo dez anos. Com incenso puro - isto faz onze. Com base neste versículo Sábios investigou e descobriu que nada é melhor para o incenso que apenas estas especiarias onze.
  
O Acharit Shalom observa que os ingredientes ao passo que os onze acima mencionadas são listadas em hebraico, o restante dos ingredientes são listados em aramaico. Ele presume que Chazal fez isso deliberadamente, a fim de diferenciar entre o real especiarias e os ingredientes restantes que são apenas (para melhorar a qualidade dos principais ingredientes).
  
O incenso era composto de onze ingredientes: bálsamo, ônica, gálbano incenso (em quantidades de setenta manehs cada um em peso), cássia mirra, nardo, o açafrão (dezesseis manehs cada), de costo (doze manehs), aromáticos casca (três manehs ), canela e (nove manehs), num total de 368 manehs, um para cada dia do ano, metade do oferecido pela manhã e metade à noite, e três manehs extra para o Dia da Expiação. Mas em um ano lunar ordinárias, foram mais de onze manehs (o ano lunar sendo 354 dias), e embora estes manehs onze eram necessários para completar o incenso em anos intercalados, tiveram que ser comprados com as doações novo dado no primeiro dia de Nisan Alguns método teve de ser concebido, portanto, de fazer o restante do incenso velho válida para o ano novo.
  
A lixívia obtida a partir de uma espécie de alho-poró eo vinho de Chipre que são mencionadas em conexão com o incenso, foram os ingredientes nem real, mas foram usados apenas para o branqueamento ônica, e também para tornar o seu odor mais picante, como veremos.
  
O rabino Moshe Sofer [4] explica o significado simbólico dos nomes dos quatro principais especiarias incenso, bem como a lixívia Karshina e vinho Chipre:
  
Os quatro especiarias que são escritos explicitamente na Torá são bálsamo-tzori, tziporen ônica, gálbano chelbenah, e incenso puro zakah levonah.
  
Tzori alude a Torá, que é um bálsamo-tzori e cura para o corpo inteiro.
  
zakah Levonah faz alusão ao amor de Deus para o Seu povo através do qual Ele me'laven-clareia e alvejantes seus pecados. Entre esses dois são colocados a tziporen e chelbenah.
  
Como se sabe, faz alusão chelbenah para completar os pecadores.
  
O tziporen, por outro lado, alude à maioria do povo judeu. Como um tziporen unha, eles são lisos e sem mácula no interior, e só escureceu no exterior ... É por esta razão que somos obrigados a esfregar o tziporen Karshina com lixívia, para embelezá-la e retirar a sua negritude externo. Isto faz referência a teshuvá, arrependimento e boas ações ... Embebição das tziporen vitivinícola Chipre para torná-lo azah [picante ou forte alude] para o vinho [ensinamentos secretos] da Torá de Israel, o que confere a capacidade de permanecer firme e inabalável em sua fé quando eles andam entre as nações.
  
A importância dos montantes
  
COUNT NOME PESO bálsamo 70 maneh ônica 70 maneh gálbano 70 maneh incenso 70 maneh mirra 16 maneh cássia 16 maneh espiganardo 16 maneh açafrão 16 maneh costus 12 maneh 10 aromáticos casca 3 maneh 11 canela 9 maneh

  
368 maneh
  
Qual é o significado dos diferentes montantes de cada fragrância?
  
Cada uma das quatro maiores fragrâncias mencionado explicitamente na Torá contribuiu setenta maneh. O número sete representa o universo natural, criado em sete dias. Sete corresponde à estrutura do universo físico, especialmente os limites do tempo com a sua semana de sete dias.
  
Setenta é o número sete em dez. O número dez representa tanto a pluralidade e unidade, para setenta e transmite a idéia de multidão, a unificação de forças no mundo natural. Esta é a mensagem subjacente do ketoret. Estas fragrâncias Santo iluminar e elevar a pluralidade de forças naturais.
  
Após o primeiro nível de quatro fragrâncias santificou a dimensão do tempo, a segunda camada de quatro fragrâncias santificou a dimensão do espaço. O número seis corresponde ao espaço, como qualquer localidade é composto por seis vetores (as quatro direções, para cima e para baixo). Também pode ser visualizado como um cubo, representando todos os objetos físicos, que tem seis faces.
  
O tempo é um aspecto menos físico e mais receptiva à elevação espiritual. Assim, para os primeiros quatro fragrâncias representam a dimensão do tempo, o número sete foi multiplicado por dez. Espaço, por outro lado, é influenciada apenas pela sua proximidade à santidade.Portanto, a qualidade de unificação de dez só é adicionado aos seis, de modo que 16 maneh foram utilizados de cada uma destas fragrâncias.
  
Os montantes final de doze, nove e três representam os limites do reino dividido física. Três é o primeiro número para demonstrar multidão, e nove é o último número, diante da multidão é mais uma vez combinadas em uma unidade de dez [5].
  
Onze Especiarias
  
Rashi, em Shemot 30:34, explica que a Ketoret foi composta por onze ingredientes. Muitas vezes, descobrimos que o número dez é usado para representar um conjunto espiritual completa. Onze refere-se à transmissão da luz divina que transcende os limites do mundo, dentro dos limites do mundo.
  
Pirke Avot 5:1 O mundo foi criado com dez pronunciamentos.
  
Eleven, portanto, refere-se a um nível acima dos limites do conjunto das dez. No entanto, uma vez que é também um número que segue na seqüência para dez anos, podemos entender que ele se refere à fusão entre a luz divina transcendente e do quadro da existência mundana limitado.
  
Havia dez especiarias perfumadas na ketoret, o incenso, especiarias e um mau cheiro (Chelbena gálbano). Havia dez tzaddiks na sinagoga ainda não orações em um dia de jejum, foram ouvidas sem a oração de um pecador.
  
Keritot 6b rápido Cada comunal que não inclui os pecadores de Israel não é um jejum. "Isto é derivado do fato de que o incenso incluído Chelbenah gálbano. Assim como o Chelbenah era necessária para dar a outras especiarias exatamente a fragrância certa, uma congregação não é completa sem alguém que também tem caído e que deve reelevate se através do arrependimento. Em especial, quando uma punição difícil foi decretado contra Israel por causa de alguma má ação, esta muito mal devem ser tomados e elevados. Assim, a idéia de transformar mal, elevando-lo de volta à sua fonte de santidade é dado a entender no incenso. É por esta razão também que uma rápida comunal deve incluir "os pecadores de Israel".
  
Agora vamos ver o que podemos aprender com Rashi sobre cada uma das quatro especiarias, mencionado pelo nome, na Torá:
  
(1), bálsamo, 34 bálsamo seiva Heb. נָטָף. Este é um bálsamo (צֳרִי), mas uma vez que é apenas a seiva que escorre (נוֹטֵף) das árvores de bálsamo, é chamado נָטָף (Ker. 6a), e em francês, gomme, goma-resina. O bálsamo em si, porém, é chamado [Triaca em Old Provençal], Theriac.
  
(2) ônica, ônica Heb. וּשְׁחֵלֶת, uma raiz de uma especiaria, lisa e brilhante como as unhas, e na língua da Mishná (Ker. 6) é chamado צִפּֽרֶן. Isto é que torna Onkelos como וְטוּפְרָא. [Ambos צִפּֽרֶן e טוּפְרָא significa "unha".]
  
(3) gálbano [] chelbena, A spice gálbano e com um odor vil, chamado [galbane em francês antigo], gálbano. A Escritura é contado entre os ingredientes do [incenso em ordem] para nos ensinar que não devemos olhar de soslaio para os transgressores, incluindo judaico com nós quando se reúnem para jejum e oração. [A Torá nos instrui] que deve ser contado conosco. - [De Ker. 6b]
  
(4), incenso - cada um pesando setenta maneh [6]; e incenso puro Daqui nossos rabinos aprendi que os ingredientes onze disse a Moisés [quando estava] no Sinai: o mínimo de aromáticos e dois anos [desde סַמִּים está escrito no] plural; bálsamo seiva, ônica, e gálbano e três anos, igual a cinco; aromáticos [escrita uma segunda vez] de forma a incluir novamente o número destes, igual a dez, e incenso, num total de onze.Eles são os seguintes: (1) bálsamo seiva, (2) ônica (3), gálbano (4), incenso (5) mirra (6), cássia (7), nardo (שִׁבּֽלֶת נֵרְדְּ) e (8) de açafrão , totalizando oito, porque שִׁבּֽלֶת e נֵרְדְּ são um só, para נֵרְדְּ nardo é como um ouvido [de grãos] שִׁבּֽלֶת. [Para continuar:] (9), de costo (10), casca aromática, e (11) de canela, totalizando onze. carshina Borith [mais mencionados na Baraitha, não é contabilizado porque ele] não vai fumaça, porém esfregar o ônica com ela para branquear assim que deve ser bonito. - [De Ker. 6]
  
A Cássia, que também é usado no óleo da unção é também descrito por Rashi:
  
(6), cássia, 24 e de cássia Heb. וְקִדָּה, o nome da raiz de uma erva, e na língua dos sábios: קְצִיעָה, cássia. - [De Ker. 6]
  
A Gemara desenvolve cmments Rashi:
  
K'rithoth 6 QUANDO UM COMPOSTOS incenso. Nossos rabinos ensinaram: "Quando um incenso compostos para experimentar ou para entregá-lo à comunidade, ele é culpado, caso a fim de cheiro, ele é culpado. Aquele que cheira-lo [7], não é culpável, [8], mas ele é culpado de sacrilégio. [9] Mas o cheiro sujeito à lei de sacrilégio? Não tem R. Simão filho de Pazzi declarou em nome de R. Josué, filho de Levi, em nome do Bar Kappara: ouvir, ver e cheirar [10], não estão sujeitos à lei de sacrilégio? [11] - A referência ao cheiro significa que, após a coluna de fumaça [de incenso] subiu [12], caso em que não está sujeito à lei de sacrilégio, pois nada está sujeito à lei de sacrilégio, depois de o comando previsto foi executado com eles.
  
Rashi nos diz também algo sobre o seu peso:
  
Serão de igual peso Heb. בַּד בְּבַד יִהְיֶה. Estes quatro ingredientes [] mencionou aqui [explicitamente] deve ser igual, um peso de peso. Como o peso de um, então deve ser o peso do outro. Então, nós aprendemos (Ker. 6): O bálsamo, o ônica, o gálbano, o incenso e o peso de cada um foi manehs setenta. O בַּד palavra parece-me, uma unidade, ou seja, cada [um, o peso] será um presente como esse.
  
Finalmente, Rashi nos diz sobre a mistura das especiarias:
  
35 Hb bem misturados. מְמֻלָח, como o Targum [torna Onkelos]: מְעָרֵב, misturado. Ele deve misturar os seus [os temperos em pó '] completamente, um com o outro. Assim, eu digo que [o] que se seguem são semelhantes a esta: "E os marinheiros (הַמַּלָּחִים) estavam com medo" (Jonas 1:5) "; sua marinheiros (מַלָחַיִךְ) e seus marinheiros" (Ez 27:27). [Marinheiros são dadas esta] denominação porque virar a água com remos quando se propulsionar o navio, como uma pessoa que vira os ovos batidos com uma colher para misturar com água. E qualquer coisa que uma pessoa deseja se misturar completamente, ele se vira com o dedo ou com uma colher.
  
bem misturado, puro, santo Ele deve ser bem misturada, deve ser puro, e será santo.
  
A Torá nos ensina que não podemos queimar o incenso para o nosso próprio ejoyment, no entanto, Rashi nos diz que podemos composto para a comunidade:
  
38 a cheirá-lo [s] fragrância Mas você pode fazê-lo de acordo com a sua fórmula de seus ingredientes [próprio], a fim de entregá-lo à comunidade. - [De Ker. 5]
  
O número onze
  
Há uma história interessante a respeito de quem pode contar para um minyan atribuída por alguns ao Biyehudah Noda e outros Rav Chaim Brisk. Uma vez ele estava em viagem e que estava ficando no final da tarde para que ele perguntou a seus talmidim fazer um minian. Com dificuldade, que reuniu dez homens, mas o rabino percebeu que um deles não era particularmente frum e pediu-lhes para encontrar outro. O talmidim explicou a dificuldade e sugeriu que, nas circunstâncias atenuantes, que deverá permitir-lhe contar que uma vez. O rabino insistiu para que um deles disse que as regras Gemara que as orações em um tzibbur Taanit deve incluir um pecador para ser eficaz como o incenso ketoret () teve que conter chelbenah, uma especiaria mal cheirosa. O rabino respondeu ao salientar que o ketoret tinha que ter especiarias onze!
  
O número onze, que é como muitas especiarias que havia no Ketoret, à primeira vista parece um pouco estranho. No entanto, cabalisticamente, é uma série de enorme importância para que alude a um dos bens mais preciosos de toda a história: DAAT Elohim, Divina-conhecimento.Assim ficamos a saber que o nível sod da Torá nos ensina que ketoret, que é composto por onze ingredientes, traz DAAT - conhecimento.
  
Ao nível da sod, DAAT é a localização (o estado místico), onde todas as dez sephirot da Árvore da Vida estão unidos como um só. Daat é geralmente retratada no lugar de Keter como DAAT é a representação intermnal de Keter. Pode-se dizer que enquanto há dez sephirot, DAAT é o décimo primeiro "e escondido sephira.
  
Agora podemos começar a compreender que o ketoret (DAAT) alude à representação interna da congregação (sephirot), que une a outros dez. Assim é o pecador ", que tem o poder de unir a congregação com a sua teshuvá, arrependimento dele.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...